Boa noite! Terça, 23/Abr./2024

Polícia investiga mulher que fingiu ter câncer para arrecadar dinheiro e insumos de prefeitura no interior de SP

Segunda, 20 de Mar. de 2023
Fonte: G1

Uma moradora de Areiópolis (SP) está sendo investigada pela Polícia Civil após fingir ter câncer para extorquir dinheiro de moradores da cidade e recursos do poder público. A mulher, de 27 anos, dizia ter três tumores no cérebro e um na garganta, além de leucemia mielóide aguda.

Com o cabelo raspado, a suspeita aparecia em suas redes sociais para pedir ajuda dos moradores da cidade para custear o tratamento contra o câncer. Ela relatava estar em estado terminal e também pedia ajuda porque precisava criar as duas filhas.

A cidade se mobilizou com a história e, além da vaquinha que a suspeita divulgava nas redes, foram feitos bingos e rifas para arrecadar dinheiro para ajudá-la. A própria prefeitura esteve à frente da organização de um show de prêmios em prol da jovem.

Ao mesmo tempo em que pedia ajuda nas redes sociais, a mulher recebia assistência da diretoria de saúde do município.

Em abril do ano passado, o município começou a fornecer medicamentos e insumos para paciente. Também foi oferecido dinheiro para custear o transporte para suposto tratamento no Hospital Amaral Carvalho em Jaú.

Segundo a administração municipal, foram gastos cerca de R$ 30 mil com a mulher. Em setembro de 2022, a diretoria de saúde começou a desconfiar da história e passou a apurar o caso internamente.

Na última terça-feira (14), a prefeitura soube pelo Hospital Amaral Carvalho que o laudo médico apresentado pela suposta paciente era falso. Logo em seguida, a Polícia Civil foi comunicada e instaurou um inquérito policial para apurar o ocorrido.

Na quinta-feira (18), a mulher foi ouvida pela Polícia Civil e confessou os crimes. Ela relatou que foi ameaçada por uma prima para dar os golpes. No mesmo dia, foram apreendidos na casa da suspeita insumos inutilizados que tinham sido fornecidos pela prefeitura. Os materiais foram devolvidos ao poder público.

As autoridades investigam o caso como estelionato, falsidade ideológica e falsificação de documentos.

LEIA TAMBÉM