Bom dia! Quarta, 17/Jul./2024

Gastos do Governo Caio Aoqui com o lixo já somam quase 3 milhões até maio

Segunda, 20 de Mai. de 2024
Fonte: Jornal Diário de Tupã

Os gastos da Prefeitura de Tupã com a coleta e depósito do lixo orgânico produzido no município não param de aumentar. Segundo dados do Portal da Transparência, entre os dias 1º de janeiro a 17 de maio deste ano, as despesas da prefeitura com a prestação desse serviço apresentaram alta de 53,34% em relação ao mesmo período do ano passado.

 Entre os dias 1º de janeiro a 17 de maio de 2023, os gastos da prefeitura com o serviço foram de R$ 1.879.159,16. No mesmo período deste ano, esses gastos foram de R$ 2.881.555,09 - o que representa um aumento de R$ 1.002.395,93 no período analisado.

O que chama a atenção é que nesse período a população tupãense não aumentou o suficiente para justificar o aumento na produção de lixo. Pelo contrário. 

O Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil 2023, estudo produzido pela Abrema (Associação Brasileira de Resíduos e Meio Ambiente) mostra que a geração de RSU (Resíduos Sólidos Urbanos) dos moradores da região Sudeste diminuiu, passando de 1,254 quilos por habitante/dia, no ano de 2021, para 1,230 quilos por habitante/dia, no ano de 2022. 

Ao levar em consideração esses dados, Tupã, que tem 63.928 habitantes (segundo dados do IBGE), teve uma produção média de 80,2 toneladas de lixo por dia no ano de 2021 e uma produção diária média de 78,6 toneladas no ano de 2022, o que representa uma queda de 2% e uma tendência na redução da produção de lixo.  

 

CUSTOS

De acordo com o Portal da Transparência, entre os dias 1º de janeiro a 17 de maio de 2023, a Prefeitura de Tupã gastou R$ 199.887,69 com a empresa Fossil Limpeza Urbana Eireli ME, da cidade de Belo Horizonte, para o aluguel de três caminhões de lixo com compactadores e R$ 1.679.271,47 com a empresa Monte Azul Engenharia Ltda., da cidade de Araçatuba, para transporte e destinação final dos resíduos sólidos domiciliares do município.

Apesar de os serviços contratados pela prefeitura serem os mesmos, no igual período deste ano as despesas com a empresa Fossil despencaram para R$ 82.947,10 e os gastos com a empresa Monte Azul caíram para R$ 1.329.607,99. 

As maiores despesas no período foram com a empresa Conservita Empreendimentos e Serviços Ambientais Ltda., da cidade de Andradina, no valor de R$ 1.469.000,00, referente a uma contratação emergencial para administração da estação de transbordo e operação da coleta municipal urbana. 

A empresa foi contratada pela Prefeitura de Tupã em caráter emergencial, com dispensa de licitação, no dia 15 de março deste ano, por R$ 1.017.000,00 para prestação de serviços de administração e operação da estação de transbordo e recolhimento de resíduos sólidos urbanos gerados no município. A empresa ainda deveria fornecer quatro caminhões compactadores, incluindo motorista, no período de três meses. 

 

ATERRO SANITÁRIO

Após denúncia movida contra a Prefeitura de Tupã sobre supostas irregularidades cometidas na prestação desse serviço, como a falta de uma balança no aterro sanitário para pesar o lixo produzido no município e transportado diariamente para Quatá, o governo municipal "correu" para regularizar as pendências do local. 

Vale lembrar que a empresa responsável pelo transporte do lixo ao aterro de Quatá, presta o serviço por quilo de lixo transportado. O questionamento é saber como que a empresa cobra por esse serviço já que não existe balança no aterro sanitário para pesar esses materiais. 

Uma das alternativas da prefeitura para regularizar a situação foi contratar empresas para fornecer e instalar a balança no local. Segundo documentos da Prefeitura de Tupã, o termo de homologação com a empresa Marcos Ribeiro e Cia. Ltda. foi assinado no dia 10 de fevereiro do ano passado. 

A empresa venceu a licitação por R$ 75 mil para fornecer e instalar uma balança rodoviária eletrônica no aterro municipal de lixo orgânico. Já o termo de homologação para contratação da empresa K.C.R. Indústria e Comércio de Equipamentos Eireli - EPP foi assinado no dia 4 de maio. 

A empresa foi contratada por R$ 232.726,58 para executar a base para implantação de balança rodoviária sobre piso na estação de transbordo do lixo orgânico, na estrada municipal Geraldo Adelino Quiqueto. Ou seja, as empresas que venceram essas licitações foram contratadas há mais de um ano, já receberam os pagamentos, mas a balança instalada ainda não funciona depois de tanto tempo. Um "mistério" que não consegue ser desvendado.

LEIA TAMBÉM