Boa noite! Quarta, 29/Mai./2024

Empresa Guerino Seiscento busca baratear passagens na ligação Assis para São Paulo

Quinta, 6 de Abr. de 2023
Fonte: Redação Mais Tupã!

A Guerino Seiscento, empresa de transporte responsável pela linha de ônibus que liga Campo Grande-MS a São Paulo-SP via Assis-SP, tem agradado os passageiros com a qualidade dos serviços prestados. No entanto, a empresa enfrenta uma barreira imposta pela ARTESP, agência reguladora do transporte de passageiros no Estado de São Paulo, que não autoriza a Guerino Seiscento a atender plenamente a população de Assis, e demais cidades paulistas que são perpassadas pela linha em questão.

A forma como a linha foi autorizada faz com que os passageiros de Assis tenham que pagar mais do que o necessário para se deslocar para outras cidades do estado de São Paulo, como Presidente Prudente, Ourinhos e São Paulo. Isso ocorre porque o ônibus adentra, embarca e desembarca passageiros em todas essas cidades, mas pela falta de autorização da ARTESP os passageiros tem que pagar como se fossem para cidades fora do Estado de São Paulo.

Atualmente há um monopólio, principalmente quando se fala em viagens para a capital do estado e a solicitação, junto a ARTESP, tem como objetivo atender às necessidades da população local, que enfrenta dificuldades para se deslocar para outras cidades do estado de São Paulo devido à falta de opções de transporte e horários limitados.

A Guerino Seiscento é uma empresa respeitada e reconhecida pela qualidade de seus serviços, que sempre investe em ônibus modernos e em tecnologias embarcadas para trazer conforto e segurança aos passageiros.

Para que os passageiros de Assis sejam amplamente atendidos, é necessário que a ARTESP autorize que a empresa Guerino Seiscento realize o seccionamento dentro do estado de São Paulo, nesta linha que é interestadual, que foi autorizada pela ANTT. Dessa forma, a empresa poderá atender à demanda da população local de maneira mais adequada, sem prejudicar os passageiros que acabam tendo que arcar com tarifas além do necessário.

LEIA TAMBÉM